22/09/2008

lavar no ribeiro

A short trip up North to my grandmother's village. While here I finished the blocks, bars, scraps from friends quilt. While it is technically not very good(my quilt stitch needs much practice) it feels so great to finish it!

Since I am here and while finishing the last stitches of the quilt, I thought I would wash it at the small brook that my grandmother and mother always washed their clothes. On summer vacations in the eighties it is also where my sisters and I would help my mother wash clothes along with many other women from the village. Then in the nineties the washing machine was installed in my grandmother's house.

The brook has undergone many changes. There used to be grape vines that shaded the brook but have now been cut down. This totally broke my heart. Water is being taken upstream for a private house and so many days, especially in the summer the brook has little water. And finally, like today, the rocks are a bit dirty and there is sediment on the bottom. I had to finish washing it at my mother's more modern facilities.

Vim passar mais uns dias as terras da Maria. Entretanto, acabei uma das minhas colchas. Technicamente nao e muito boa(tenho de praticar mais o ponto) soube tao bem acaba-la!

E como estava ca e ao acabar os ultimos pontos pensei que gostava de lava-la no ribeiro onde a minha mae e avo sempre lavaram e eu com as minhas irmas lavavamos nas ferias nos anos oitenta antes de instalarem a maquina de lavar roupa na casa da avo. O ribeiro tem sofrido muitas mudancas. Cortaram as lindas vinhas que dava uma sombra tao boa, o que me partiu o coracao. A agua esta a ser cortada mais a cima para uma casa privada e entao ha falta da agua especialmente no verao. E hoje as pedras estavam sujas e ha terra no fundo do lavadoiro. Entao tive que acabar de lava-la a mao mas nas instalacoes mais modernas na casa da minha mae.

5 comentários:

Elsa Castelo disse...

É uma pena quando nos levam as sombras. Gosto muito desse tipo de videiras que, além da sombra, dão uvas americanas que sabem tão quando lavadas num ribeiro de águas limpas e bem frescas.

A manta ficou muito bonita :)

maman xuxudidi disse...

Nunca vi roupa tão bem lavada como no ribeiro. É o perfume do sabão, do sol, da terra, das sombras... são sons quentes, os das abelhas, e outros insectos e desta água que corre.
A perfeição não existe e a tua manta já carrega história.

Suzi disse...

O quilt está lindo, lindo, lindo Mary. Just perfectly gorgeous!!!!

sara aires disse...

está um mimo! e sim, não há nada como um rio de água transparente e uma sombrinha...

disse...

Que saudades que tenho desse tempo Quando era criança também lavava no ribeiro. Vou voltar ao seu recanto. Mª